Entrevista de emprego: como perceber se o candidato está mentindo?6 min read

Os gestores de RH recebem algumas das tarefas mais difíceis dentro de uma empresa, e entre elas está o processo de seleção de novos funcionários. Um dos fatores que torna esse trabalho tão complicado é a possibilidade de que o candidato não seja honesto em suas colocações.

Mas como o gestor pode saber, durante a entrevista de emprego, se o candidato está mesmo mentindo? É possível detectar informações falsas apenas observando o profissional? Neste post, reunimos algumas dicas que vão ajudar você a perceber se o que ele está dizendo é ou não verdadeiro. Acompanhe!

As mentiras mais comuns

O primeiro passo para identificar mentiras na entrevista de emprego é saber — ou, ao menos, ter uma boa noção de — quais são as mais comuns. Uma das mais vistas nos processos seletivos é o nível de inglês (ou outro idioma estrangeiro).

Muitos candidatos afirmam ter nível intermediário, baseando-se, talvez, no nível da escola de idiomas que frequentam. Porém, na hora da prática, eles mostram uma habilidade limitada e mal conseguem conduzir conversas básicas.

Também é comum que candidatos que trancaram os estudos mintam sobre sua formação. Se o profissional nunca chegou a terminar a faculdade, por exemplo, ele pode omitir essa informação, dando a entender que possui o diploma de ensino superior.

Ainda vemos com frequência mentiras relacionadas ao histórico profissional do entrevistado. Ele pode distorcer informações sobre sua experiência, suas responsabilidades no emprego anterior ou o motivo do seu último desligamento.

Sabendo que essas são as áreas em que as pessoas mais tendem a mentir durante uma entrevista de emprego, você deve ficar mais atento. Então, é hora de aplicar nossas dicas do “detector de mentiras”!

Como identificar uma mentira

A primeira coisa a fazer é bastante prática e útil: verifique o máximo de informações possíveis sobre o candidato. Isso pode ser feito até mesmo antes da entrevista começar, observando se há mentiras ou omissões no currículo.

Existem vários meios de verificar as informações. Você pode solicitar um diploma de graduação, um certificado de proficiência em idioma estrangeiro, uma carta de recomendação ou, até mesmo, ligar para o gestor do profissional em seu último emprego.

Usar informações de redes sociais, como o LinkedIn, não é recomendável — afinal, se ele mentiu no currículo, provavelmente esses perfis também não sejam confiáveis.

Outra forma de identificar mentiras é fazer pequenos testes durante a entrevista de emprego. Essa é uma maneira eficiente de verificar se o candidato está mentindo sobre suas qualidades e capacidades, já que não há documentos que atestem esse tipo de informação.

Assim, por exemplo, se o entrevistado afirma ter um perfil arrojado, você pode pedir que ele conte uma história que demonstre como colocou esse perfil em prática.

Postura do candidato na entrevista de emprego

A fim de identificar mentiras, também é preciso estar atento à postura do candidato durante a entrevista de emprego. Observe se ele oferece respostas muito genéricas, fala muito sem dar informação nenhuma ou desvia das perguntas feitas. Quando olha muito para baixo ou muda frequentemente de posição, sua linguagem corporal também sinaliza que pode estar mentindo.

Porém, cuidado para não julgar baseado apenas nessas avaliações subjetivas. A entrevista de emprego é uma situação de alta-tensão para muitas pessoas, o que pode afetar sua postura — e não significa, obrigatoriamente, que o indivíduo esteja mentindo.

Quando um candidato mente na entrevista de emprego, o problema vai além das informações falsas. Mesmo que a mentira não tenha más intenções, ele está demonstrando uma atitude que, com toda certeza, não é compatível com os valores da sua empresa. Esse é um tipo de comportamento indesejável e demonstra que ele não é adequado para fazer parte da sua equipe.

Linguagem corporal do entrevistado

De acordo com um artigo sobre o livro Não Minta pra Mim! — Psicologia da Mentira e Linguagem Corporal, em matéria da revista EXAME, existem sinais clássicos da mentira que costumam entregar seus autores. Conheça alguns deles que, associados a outros indícios, podem revelar contradição ou dúvidas a respeito de algum fato:

  • tocar o rosto enquanto fala, tapando a boca, passando a mão no queixo ou colocando objetos (como canetas) entre os lábios;

  • evitar contato visual, desviar o olhar;

  • olhar fixamente também pode ser um sinal, já que existem pessoas que conhecem essa “regra” do olhar;

  • comprimir os lábios;

  • olhar para cima e para a direita, enquanto estiver falando sobre determinada situação;

  • enrugar a testa.

É claro que todos esses sinais também podem representar apenas nervosismo, e não mentira ou omissão. Porém, é importante que você fique atento a essa leitura corporal para que, ao final de tudo, possa fazer uma avaliação completa, incluindo a checagem das informações e outros elementos.

Diferentemente do que muitas pessoas pensam, a linguagem corporal não é uma questão de adivinhação em que cada ação representa, necessariamente, um significado certo. Há muitos mitos sobre esse assunto.

Veja as dicas do especialista Sérgio Senna, do Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal, para ter um conhecimento contextualizado e evitar generalizações.

Táticas no discurso do candidato

O estilo do discurso também é uma fonte de informação poderosa a fim de identificar possíveis tentativas de enganar o entrevistador. Além do conteúdo da conversa, é necessário, também, observar a maneira pela qual o entrevistado utiliza as palavras e forma as frases, assim como o tempo e a profundidade do assunto.

Em relação ao tempo, vale observar a quantidade de pausas que ele faz para explicar determinada situação, o que pode revelar dúvida ou alguma estratégia para não errar o que vai ser dito. Mais uma vez, antes de concluir qualquer coisa, perceba se ele está nervoso.

Quanto à profundidade do assunto, existe um hábito comum de pessoas que estão mentindo que é desviar o foco e mudar para outro tema. Esse tipo de estratégia ocorre quando o candidato quer evitar aquela conversa ou não tem mais o que dizer a respeito.

Perceba, também, os verbos utilizados. Por exemplo, se você pergunta ao indivíduo se ele fez algo em relação a determinada situação, o certo é ele responder se FEZ ou não. Porém, muitas vezes, escolhem-se verbos que não se encaixam na resposta, revelando um comportamento de fuga.

Nesse caso, uma resposta ambígua seria: “Eu não faria algo do tipo.”. A escolha por esse tempo verbal deixa um espaço para a dúvida, em que o candidato não chega a mentir, mas também não fala a verdade.

Como mostramos ao longo do conteúdo, há muita coisa que pode ser observada quando o assunto é mentira em entrevistas de emprego. O fato é: quanto mais o entrevistador estuda sobre o tema, mais preparado fica. Além disso, a experiência é essencial para dar mais segurança nas decisões que envolvem esse tipo de dúvida sobre candidatos.

E você, gestor de RH, já se deparou com um candidato mentindo em uma entrevista de emprego? Como lidou com essa situação? Compartilhe suas experiências conosco aqui nos comentários!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

topo