Inventário Comportamental x Perfil Psicológico: conheça as diferenças!8 min read

inventario-comportamental-perfil-psicologico

Nos processos seletivos é fundamental que os gestores usem ferramentas efetivas para avaliar a aptidão dos candidatos. O inventário comportamental auxilia na identificação das características e o perfil psicológico na identificação de traços de personalidade.

Ambas favorecem a identificação do perfil do candidato, porém, há algumas diferenças relevantes entre esses dois tipos de análise. É interessante que se conheça os métodos com clareza para que eles sejam aplicados corretamente nos processos seletivos das organizações e, assim, garantir que sejam contratados colaboradores, alinhados com o perfil desejado.

Pensando nisso, desenvolvemos este post, que apresentará o que é o inventário comportamental e o perfil psicológico, bem como as diferenças entre eles. Confira, nos tópicos a seguir.

O que é inventário comportamental?

O inventário comportamental abrange a análise do comportamento e o mapeamento do indivíduo. A partir dessa avaliação é possível identificar competências, habilidades, capacidades e características comportamentais do candidato. Esse tipo de ferramenta permite apontar as preferências naturais do indivíduo, além de analisar como ele responde aos estímulos externos e suas tendências para a tomada de decisão.

O inventário comportamental é um recurso utilizado para que as empresas identifiquem talentos e possam selecionar o candidato mais alinhado ao cargo. Por possibilitar um amplo mapeamento de características do indivíduo, ele permite que a organização delegue funções e atividades adequadas para cada perfil.

Além de ser muito utilizada pelas empresas no processo de contratação, essa ferramenta também pode ser empregada para melhorar o desempenho dos colaboradores, promover líderes e descobrir novos talentos.

E o perfil psicológico?

O perfil psicológico é um tipo de avaliação mais abrangente, que busca analisar e compreender o funcionamento psíquico do indivíduo. Esse estudo pode incluir traços de personalidade, habilidades cognitivas, habilidades sociais, inteligência, aspectos afetivos e emocionais, entre outros elementos fundamentais para estabelecer uma relação com a função e/ou cargo a ser desempenhado em uma empresa.

Esse método também é bastante utilizado nos processos de seleção. Para elaborar o perfil psicológico do indivíduo, geralmente se aplicam testes de personalidade, inteligência, habilidades cognitivas, entre outros, bem como são realizadas entrevistas individuais ou em grupo com os candidatos.

O resultado gera um entendimento mais aprofundado das características psicológicas do indivíduo. Assim, esse tipo de avaliação pode abranger elementos de todas as esferas da vida do candidato. O perfil psicológico também pode trazer informações sobre o potencial intelectual dos candidatos e suas habilidades específicas, quesitos importantes para definir quais atividades eles desempenham melhor.

Entre os resultados alcançados, nesse tipo de teste, por exemplo, é possível analisar se os profissionais possuem as seguintes capacidades: tomar decisões, comando e exigência.  Nesse caso, eles são pessoas que possuem interesse constante por busca de informação, são motivados por desafios e possuem facilidade para tomada de decisões. Eles não têm medo de mudar e assumir riscos nas funções em que atuam e, por conta dessa ousadia, essas pessoas têm mais habilidades e coragem para inovar.

Além dos processos seletivos, o conhecimento do perfil psicológico dos colaboradores é importante para que se possa pensar no desenvolvimento no meio organizacional. Isso porque, de forma estratégica, a organização pode promover atividades que proporcionem a boa convivência entre pessoas com diferentes estilos comportamentais.

Quais são as principais diferenças entre as metodologias?

A principal diferença entre esses dois tipos de análise são as suas abrangências. Como foi dito, o perfil psicológico faz uma avaliação mais profunda e mais assertiva que o inventário comportamental, que se restringe aos aspectos do comportamento do indivíduo, enquanto o primeiro engloba características da constituição psíquica.

Atualmente, existem ferramentas de avaliação de personalidade muito eficazes, que investigam traços relevantes dos indivíduos para o contexto organizacional, por exemplo, sendo utilizadas cada vez mais para potencializar a atuação dos colaboradores nas empresas. A utilização desse tipo de recurso pode facilitar muito a escolha de candidatos e a identificação de talentos.

Além disso, por meio desses testes também é possível compreender até que ponto cada pessoa tem capacidade para desenvolver novas habilidades. Afinal, ao elaborar planos de carreira e projetos de crescimento de cada colaborador dentro da empresa, é preciso compreender se eles terão condições de assumir as novas funções de forma plena.

Como melhorar a análise no processo de recrutamento?

Nas empresas, é comum que os recrutadores ora optem por realizar análises do perfil psicológico, ora do inventário comportamental. Em ambos os casos, existem uma série de boas práticas que garantem que os processos sejam feitos de forma mais adequada, otimizando os resultados e facilitando o trabalho do profissional responsável por fazer contratações.

Veja algumas dicas que separamos para você e que podem ser aplicadas na sua empresa.

Verifique as informações do currículo

É importante que, no momento das entrevistas e testes, sejam verificadas as informações que estão disponibilizadas no currículo enviado, com a finalidade de saber se esses candidatos estão sendo coerentes com as informações expostas durante a seleção. 

Essa prática também é importante para que o recrutador ouça o candidato falar de si, o que revela o seu grau de auto-conhecimento, bem como o que aprendeu em situações anteriores.

Também no momento da entrevista, o recrutador poderá fazer perguntas estratégicas, com a finalidade de identificar a singularidade dos candidatos.

Alinhe as perguntas da entrevista à cultura da empresa

Outra prática interessante é analisar o fit cultural do candidato, ou seja, se os seus valores são similares aos da cultura organizacional da empresa. A ideia é encontrar pessoas que se enquadrem bem na forma como a organização produz os seus processos, não se sentindo deslocadas no ambiente de trabalho, por exemplo.

Para que isso possa ser analisado, devem ser desenvolvidas questões que façam com que o candidato se sinta instigado a falar sobre os seus valores e dissertar sobre o que ele pensa da cultura organizacional.

Vale ressaltar que as questões devem ser elaboradas de forma estratégica, seguindo sempre os preceitos e parâmetros éticos da psicologia, de modo que o entrevistado não perceba que o seu perfil está sendo avaliado.

A ideia aqui não é excluir ou julgar candidatos, mas sim analisar quais deles têm valores pessoais que se assemelham aos da cultura da empresa, assim garantirá que ele obtenha mais êxito durante o período que trabalhar na organização.

Crie perguntas situacionais

Também é interessante que sejam criadas perguntas que simulem uma situação que poderia acontecer no dia a dia da empresa. A ideia é compreender como o candidato se comportaria mediante a um acontecimento como o ensaiado.

Algumas pessoas tendem a ficar nervosas ou mudarem de comportamento quando precisam falar com chefias, por exemplo. Todas essas questões podem ser avaliadas no momento do recrutamento e seleção para as vagas da empresa.

Realize dinâmicas

Outra forma de melhorar a análise no processo de recrutamento é por meio da realização de dinâmicas. Essas práticas são ideias para que seja avaliado o comportamento social de cada indivíduo, por exemplo.

Por meio das dinâmicas, o recrutador terá mais aptidão para identificar se as atitudes de uma pessoa são condizentes com o discurso que ela praticou em outros momentos do processo seletivo.

Além disso, durante as dinâmicas, podem se ter uma visão ampla das habilidades de cada candidato. É por meio dessas atividades que se pode definir se alguém tem mais aptidão para um cargo de liderança ou não, a título de exemplo.

Utilize softwares e ferramentas

Conforme já mencionado, existem softwares e ferramentas que contribuem para a realização de testes psicológicos. Sendo assim, você pode contar com o suporte de alguns modelos que auxiliem na coleta de informações e cruzamento de dados, por meio de avaliações de personalidade. 

Exemplo de um desses conjuntos de testes é o Mapa, considerada a mais completa ferramenta de avaliação de personalidade desenvolvida no Brasil. Trata-se de um método inovador, que identifica as características de personalidade, define as escalas dimensões e indicadores, realiza um processo de diagnóstico profundo e sensível que garante mais eficiência nos processos de contratação, por meio do conhecimento do perfil psicológico.

Agora que você já sabe a diferença entre o inventário comportamental e o perfil psicológico, ficou interessado e quer utilizar esse sistema na sua organização? Nós da Mapa, somos uma empresa de avaliação psicológica, que pode ajudar nesse sentido.

Então entre em contato conosco e conheça o nosso teste e metodologia de trabalho. Temos certeza de que se trata de algo inovador para o seu negócio. Portanto, não perca essa oportunidade!

Tags

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

topo